Rádio Linear - A rádio de Vila do Conde
 
RADIO LINEAR NOTÍCIAS SUGESTÕES
   
 
 
Sabado | 15 | Junho
NOTÍCIA VOLTAR
TAP: Costa afirma que não há nada de novo com o ministro João Galamba
2023-05-22
PARTILHAR:
O primeiro-ministro afirmou hoje não há nada de novo sobre o ministro das Infraestruturas e que o Governo colabora "totalmente" com a comissão parlamentar de inquérito sobre a TAP, e considerou "especulação" a hipótese de depor presencialmente.

Estas posições foram assumidas por António Costa em declarações aos jornalistas, à entrada para um almoço comemorativo dos 25 anos da abertura da Expo 98, altura em que desempenhava as funções de ministro dos Assuntos Parlamentares no primeiro dos dois governos liderados por António Guterres.

Interrogado se mantém a confiança em João Galamba como ministro das Infraestruturas após as declarações que esse membro do Governo prestou na comissão parlamentar de inquérito sobre a TAP, na quarta-feira passada, o líder do executivo sustentou que "não houve qualquer facto novo".

"As instituições devem funcionar normalmente e, portanto, o Governo colabora totalmente com as instituições, seja o Presidente da República, seja a Assembleia da República", começou por reagir, antes de apontar que na origem do mais recente caso em análise na comissão parlamentar de inquérito estar "o facto de o ministro João Galamba ter demitido um seu ex-adjunto por ter concluído que ele estava a esconder documentos".

"Esses documentos eram solicitados pela comissão parlamentar de inquérito sobre a TAP. Portanto, que não haja qualquer dúvida: Tudo o que a comissão parlamentar de inquérito entende em termos de esclarecimentos ou informações, o Governo estará totalmente disponível para isso "e é isso o seu dever", acentuou.

O primeiro-ministro procurou salientar em seguida que a comissão parlamentar de inquérito sobre a TAP foi constituída "porque o PS, apesar de ter maioria absoluta na Assembleia da República, a viabilizou, "após ter sido proposta pelo Bloco de Esquerda com um âmbito concreto, com um objetivo concreto, que devem ser prosseguidos".

Já sobre a intenção manifestada pela Iniciativa Liberal, Chega e Bloco de Esquerda para o que o primeiro-ministro deponha presencialmente perante a comissão parlamentar de inquérito, responde: "Não nos vamos pôr aqui em especulações".

"Ninguém me pediu. A comissão parlamentar de inquérito não me pediu sequer para eu ir, como vou estar a responder se vou ou se não vou", alegou.

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro voltou a insistir que a questão da comissão parlamentar de inquérito sobre a TAP "não é o principal problema do país", nem está no centro das preocupações das pessoas.

"Não é também o centro das preocupações do Governo", antes de se recusar a "entrar em pormenores sobre horas e horinhas das chamadas telefónicas" com o ministro João Galamba.

"Não há contradições. Espero que a comissão parlamentar de inquérito cumpra plenamente a sua função para a qual foi criada: Avaliar a gestão política do Governo relativamente à TAP, "como está a ser executado o plano de reestruturação da empresa e o processo de privatização que agora se iniciou", frisou.

Quanto aos episódios que ocorreram no Ministério das Infraestruturas e que considerou "deploráveis", o líder do executivo argumentou que já tinha dito o que havia para dizer sobre esses casos.
 
 
 
 Radio Linear
@2024 Rádio Linear
ESTATUTO EDITORIAL | TRANSPARÊNCIA | CONTACTOS